Categoria: Já Joguei-2

Kieza, do Caxias para o mundo

Welker Marçal Almeida, o Kieza, no início da década de 80, começou jogando a Copa A Gazetinha pelo Caxias. Era uma das principais peças do ataque da equipe e já naquela época fazia muitos gols. No futebol profissional, Kieza teve a sua primeira chance na Desportiva Capixaba.

Em 2008 ele se destacou na Copa Espírito Santo e começara

A carteirinha de Kieza quando jogava a Copa A Gazetinha

m a aparecer clubes interessados em seu futebol e a Desportiva negociou a sua transferência para o Americano de Campos.

Em Campos ele foi logo se destacando, sendo a principal peça do Americano na Copa do Brasil de 2009, marcando três gols no jogo contra o Santa Cruz, em Recife, e com o placar final de 4 x 2, os campistas eliminaram a equipe recifense.

Na fase seguinte marcou um gol na partida contra o Botafogo, no Engenhão, e com o placar final foi de 2 a 1 para o time da casa, levou a decisão da vaga para os pênaltis, já que o Americano vencera o primeiro jogo pelo mesmo placar. Na disputa de pênaltis, o time de Campos venceu por 5 a 4, eliminando os botafoguenses.

Os gols e o bom desempenho de Kieza estimulou o Fluminense a contratá-lo. Teve uma boa presença no tricolor carioca e partir daí só atuou em grandes clubes, inclusive no exterior, tendo jogado no futebol chinês.

 

 

A FICHA

Nome: Welker Marçal Almeida

Data de Nascimento: 24 de setembro de 1986, em Vitória (ES)

Clube atual: Botafogo (RJ)

Alguns clubes por onde passou

Copa A Gazetinha: Caxias

Desportiva Capixaba : 2003, 2006 e 2007

Americano: 2008/2009

Fluminense: 2009

Cruzeiro: 2010

Ponte Preta: 2010

Náutico: 2011

Emirados Árabes:2012

Náutico: 2013

ShamghaiShenxio (China)

2018: Botafogo (RJ)

 

 

Rogério Cuzzuol

 DEPOIMENTO DE  ROGÉRIO CUZZUOL

 “Através da Copa A Gazetinha, tive a oportunidade de iniciar minha carreira como atleta.

Em 1987 ingressei no Ibiraçu Futebol Clube, onde permaneci por um ano, conquistando muitas vitórias e fazendo muitos amigos.

No Ibiraçu consegui bastante experiência para jogar em clubes como o Fortaleza, Democratade Governador Valadares, Vila Nova de Nova Lima, Nacional de Muriaé, Estrela de Cachoeiro de Itapemirim, Rio Branco, Alfredo Chaves, Sociedade Esportiva Santa Maria, entre outros.

Através das atuações da Copa A Gazetinha, conquistei o prazer da prática esportiva, atividade que exerço até hoje, agora como treinador.

Tenho dez anos como treinador de escolinhas de futebol e já participei de todas a finais da Copa A Gazetinha e tenho orgulho de todos essas conquistas.

Agradeço a Deus a oportunidade de ter começado com a Copa A Gazetinhae ao senhor Janc por esta iniciativa na qual desperta o prazer da prática esportiva através do futebol.

Que Deus sempre o ilumine, meu amigo Janc.”

Rogério guarda até hoje a sua carteira da Copa A Gazetinha

Carteirinha de Rogério Cuzzuol na Copa A Gazetinha

Wellerson

Wellerson Ribeiro Dias nasceu em 19 de janeiro de 1972 na cidade mineira de Carangola. Foi descoberto na Copa A Gazetinha jogando pelo Ordem e Progresso, que era dirigido pelo treinador Tim-Tim.

Da Copa A Gazetinha foi para o Fluminense onde brilho no gol do tricolor de 1992 a 1997, tendo atuações até hoje lembradas pelos torcedores do clube carioca.

Era o titular no Campeonato Carioca de 1995 no célebre gol de barriga de Renato contra o Flamengo.

Além do Fluminense Werlesson jogou no Juventude (2000), defendeu o clube gaúcho na disputada da Taça Libertadores. Jogo também no Coritiba e Americano de Campos.

Depois que parou de jogar passou a ser treinador de goleiro e como tal trabalhou no Aris Salonica da primeira divisão do Campeonato Grego, ao lado de outros membros da comissão técnica como os brasileiros Donato e o Tetracampeão Mazinho. Wellerson está na lista dos goleiros que ficaram mais tempo sem tomar gols, algo em torno de 759 minutos.

A equipe campeã de 1995. Em pé da esquerda para a direita: Wellerson – Ronald – Sorley – Márcio Costa – Lima e Lira. Agachados: Aílton – Djair – Renato – Leonardo e Rogerinho

 

Pedro Renato

Pedro Renato Teixeira Baptista nasceu no dia 15 de agosto de 1973, na cidade de Bom Jesus do Itabapoana, localizada no norte do estado do Rio, que faz divisa com a capixaba Bom Jesus do Norte.

Desde de pequeno, Pedro Renato gostava de jogar futebol. E era no campo do estádio do Ordem e Progresso, localizado na Bom Jesus, do lado capixaba, que ele exibia as suas habilidades com a bola.

Mesmo sendo um menino de porte físico menor, Pedro Renato compensava esta diferença com relação aos atletas oponentes, mostrando muita habilidade e coragem.

O treinador do Ordem e Progresso, o já lendário Fausto “Tim-Tim”, com a sua experiência, viu que ali estava um menino de futuro promissor no futebol.

A partir daí, Pedro Renato passou a ser titular no ataque do Ordem e Progresso. Foi na final Copa A Gazetinha de 1987, realizada em Barra de São Francisco, que Pedro Renato foi visto por Nelson Teixeira e, no ano seguinte, estava no Vasco da Gama. Lá, jogou no juvenil, juniores e não demorou muito para ser um dos atacantes da equipe profissional do Vasco da Gama.

A carreira de Pedro Renato poderia ser mais longa se não fosse um acidente ocorrido num jogo contra o Flamengo, quando, após se chocar com o goleiro Adriano, ele fraturou uma das pernas e teve que parar por muito tempo.

A sua recuperação foi lenta e quando retornou já não era mais aquele jogador impetuoso e por isso acabou sendo emprestado para pequenos clubes do Rio de Janeiro, visando ganhar ritmo e confiança.

Não deu certo, como escreveu André Schmid no site Supervasco: “Mas não adiantou. Pedro Renato acabou sumido dos holofotes e o Vasco perdeu, quem sabe, o que poderia ter sido um grande craque vascaíno.”

Além do Vasco, Pedro Renato jogou pelo Olaria, América (RJ.),Varzin (Portugal), União Rondonópolis e futebol uruguaio.

Depois de pendurar definitivamente as chuteiras, Pedro Renato retornou para sua Bom Jesus, onde tem uma loja de venda de telefone celular. Pedro Renato fala para o Blog Boteco do Portuga. O site Supervasco tem o Blog Botoque do Portuga, com entrevistas e notícias curiosas e interessantes sobre o Vasco da Gama. O blog entrevistou Pedro Renato que falou sobre o seu passado, o seu presente e o seu futuro. Confira:

Pedro, qual motivo você considera o principal por sua carreira não ter decolado aqui no Brasil?

Pedro Renato  Refletindo, posso considerar dois motivos importantes: o primeiro, com certeza foi o acidente no jogo contra o Flamengo no Maracanã, campeonato brasileiro de 94, no qual, em um encontro com o então goleiro Adriano, sofri fratura na fíbula e na tíbia e o segundo foia falta de maturidade, pois mesmo depois da contusão, tive uma boa volta, mas optei por caminhos que não foi o melhor.

– Você chegou a ter uma pequena convivência ainda como jogador, com o atual presidente Roberto Dinamite. Como foi essa experiência e o que você espera do Vasco sob o seu comando?

 A minha maior experiência com o Roberto, não foi quando me profissionalizei e sim quando jogávamos juntos no expressinho do Vasco. O time era composto pelos juvenis e juniores do Vasco e elecompunha o elenco para abrilhantar o espetáculo. A esperança é de que ele use toda sua experiência e credibilidadecomo jogador, juntamente com uma boa administração, que faça voltar os tempos de glória do nosso Vasco, que é onde deve estar.

– Um dos motivos de sua queda de rendimento no Vasco foi a lesão que você sofreu em um choque com o goleiro Adriano, do Flamengo. Você se recorda bem do lance?

 Sim, o jogo estava 1X1 e era o último lance do jogo. Uma falta a nosso favor no lado esquerdo da grande área. A bola foi alçada na área, na segunda trave, e eu corri na pequena área esperando um cabeceio doTorres ou do Ricardo Rocha. Se não me engano, foi oTorres que cabeceou e a bola bateu na cabeça do zagueiro do Flamengo e subiu. A bola já era toda do Adriano e a única coisa que passou pela minha cabeça era trombar com ele na esperança de que o juiz não desse nada e a bola sobrasse pra alguém. Talvez tenha sido a pior escolha da minha vida…

– Como você avalia a sua passagem pelo clube e pela selação brasileira de base. Você acha que, mesmo após a lesão, você poderia ter sidomelhor utilizado?

 Minha passagem pelo Vasco com certeza ainda vai ser lembrada por muitos anos. Não só pelos recordes de gol que tenho, 37 gols em um campeonato-não sei se já superaram, 9 gols em um jogo, vários títulos na categoria de base e participação no único tri-estadual do Vasco no profissional e todas as seleções brasileiras de base possíveis. Após a lesão eu optei por ser emprestado para o Olaria, lembra? Quando eles também contrataram Ricardo Rocha, Charles Guerreiro, Ricardo Cruz, Cláudio Gomes, Preto, Arturzinho, entre outros, prometendo um time para brigar pelo título. Eu deveria ter ficado no Vasco, com certeza ia ter chance de jogar. Palavras do então treinador do Vasco, Carlos Alberto Silva.

– Como foi sua passagem pelos clubes menores do Rio e pela Europa após a sua saída do Vasco?

 Em todos os clubes que passei fiz a minha parte, apesar das dificuldades desses times e de sentir na pele o que é jogar em time pequeno contra um grande. O homem de preto te põe só pra defender. Depois estive em Portugal, onde não joguei. Tive problemas, pois aqui prometeram muitas coisas, chegando lá as coisas mudaram. Foi muito bom como experiência e aprendizado de vida, sem se falar em conhecer outros costumes, outro país, etc.

 Você guarda mágoas da antiga diretoria por sua saída?

 Não, Jaílson, meu treinador no juvenil e nos juniores do Vasco, com quem ganhamos vários títulos, sempre dizia:” Jogador de futebol é igual laranja, enquanto der caldo tá chupando, quando acaba vai pro lixo”.

 Qual a sua maior lembrança dos tempos de Vasco?

 Além dos amigos que fiz, e que encontrei esses dias em São Januário, a torcida era uma coisa mágica. O Vasco conquistou vários títulos, e a torcida do Vasco sempre estava em maior número no Maraca. Era lindo!! Inesquecível!!

 Você ainda mantém contato com os jogadores e funcionários do clube?

Estivelá esses dias, depois de muito tempo. Fiquei muito felizpois encontrei muitos amigos da época como Carlos Germano, Jair Bragança, doutor Fernando, massagista Carlão, Jorge Luís e fiquei sabendo que Cássio, Tinho, William, entre outros, estão trabalhando lá também. Muito legal reencontrar todos.

 E hoje Pedro? No que você vem trabalhando, quais os seus planos “pós-futebol” ?

 Hoje sou empresário e possuo lojas da VIVO em minha cidade e cidades vizinhas. Faço curso de direito onde me formo no meio do ano que vem. Sou muito feliz, pois sempre soube que voltaria para a minha terra, (Bom Jesus do Itabapoana) lugar que amo.

 Mande um recado para torcida vascaína.

 Aí galerado Vascão, tá na hora da gente voltar ao topo, hoje sou torcedor e posso dizer porque já vivi do lado de lá, vocês tem um poder que não imaginam. Vocês fazem as coisas acontecerem. Vamos acreditar no nosso time e incentivar, pois tudo que se junta em favor de alguma coisa, emana energia e empurra para o acontecimento. Um abração a toda a galera vascaína e muita sorte pra Roberto Dinamite e cia.”

 

Com este time e Pedro Renato o Ordem e Progresso foi campeão em Baixo Guandu