Tag: lionel messi

Messi vive ano de descontração e renovação

Lionel Messi, astro do futebol mundial, brilhou intensamente ao longo de 2023, irradiando seu característico sorriso, tanto em suas performances pelo Inter Miami nos Estados Unidos, quanto envergando a camisa da seleção Argentina. A temporada do renomado craque foi marcada por uma série de celebrações, afastando qualquer sombra de tensão experimentada em épocas anteriores.

Ao completar 36 anos em junho, Messi expressou sentir uma juventude renovada, como se estivesse revivendo os dias de sua infância, perseguindo a bola com entusiasmo. A experiência da vitória na Copa do Mundo no Qatar, há um ano, parece ter liberado o ícone do peso de desapontamentos anteriores em competições desse calibre.

“Após a conquista da Copa do Mundo, pensei que o ciclo estava fechado, mas muito pelo contrário. Mais do que nunca, quero servir o meu país. Sofremos muito durante vários anos e agora estamos vivendo um momento incrível. Desejo desfrutar dele”, afirmou Messi, revelando uma determinação renovada.

Cada encontro de Messi com os compatriotas argentinos tornou-se um espetáculo de celebração. Isso ficou nitidamente evidente na primeira partida da seleção em casa após o título, um amistoso contra o Panamá, no qual Messi deixou sua marca com um golaço de falta. Nos jogos das Eliminatórias para o próximo Mundial, sua presença tem sido crucial, contribuindo para a liderança da Argentina no torneio classificatório, incluindo uma vitória sobre o Brasil no icônico Maracanã, onde Messi balançou a rede por três vezes.

Considerando também os amistosos, Messi acumulou oito gols pela seleção ao longo do ano. Já pelo Inter Miami, seu desempenho foi igualmente espetacular, com 11 gols e cinco assistências em 14 partidas, contribuindo para a conquista do primeiro título da equipe, a Leagues Cup, em agosto.

Anteriormente conhecido por suas celebrações discretas, Messi surpreendeu ao adotar gestos descontraídos após seus gols, incluindo imitações de heróis da Marvel como Thor, Homem-Aranha e Pantera Negra. O craque revelou que esses gestos são uma solicitação de seus filhos, em uma curiosa convergência com o acordo comercial entre a MLS e a Marvel.

Após erguer seu primeiro troféu nos Estados Unidos, Messi retornou à Europa para receber, pela oitava vez, a cobiçada “Bola de Ouro” da revista France Football, estabelecendo-se ainda mais como o maior vencedor do prestigiado prêmio individual. Embora a premiação tenha considerado suas performances no Paris Saint-Germain, foram suas atuações brilhantes na Copa do Mundo que o destacaram, superando concorrentes de peso como Erling Haaland e Kylian Mbappé.

A conquista do Mundial também serviu como motivação para Messi abandonar o futebol europeu, buscando uma liga com menor pressão nos Estados Unidos. Em Miami, encontrou uma vida mais serena ao lado da família, desfrutando de momentos simples que, na agitação europeia, eram escassos.

“Estamos muito felizes por ter escolhido esse lugar para viver”, declarou Messi, encerrando um ano repleto de triunfos, realizações e sorrisos contagiantes.

 

Dibu Martínez a colocam na semifinal da Copa – 09/12/2022 – Esporte

A Argentina teve um lance de gênio, sofreu, catimbou, reclamou, quase saiu no tapa com os holandeses, levou dois gols nos minutos finais, mas, no fim, saiu do estádio Lusail, nesta sexta-feira (9), com a vaga na semifinal da Copa do Mundo do Qatar.

Isso graças às defesas, provocações e danças do goleiro Dibu Martínez.

Após empate em 2 a 2 com a Holanda, a seleção sul-americana venceu nos pênaltis por 4 a 3. Martínez defendeu duas cobranças de van Dijk e Berghui. Como já havia sido no título da Copa América de 2021, ele se agigantou na decisão.

A genialidade foi, claro, de Lionel Messi. Com um passe inexplicável, ele abriu a defesa adversária e deixou Nahuel Molina de frente para o goleiro Noppert aos 34 minutos do primeiro tempo. Foi o primeiro gol do lateral com a camisa alviceleste. O próprio camisa 10 depois marcaria de pênalti.

Na próxima terça-feira (20), também em Lusail, a Argentina enfrenta a Croácia, às 16 horas (de Brasília) por uma vaga na decisão.

Será a chance de a equipe sul-americana se vingar da humilhação de 2018. Os croatas se aproveitaram de uma série de erros defensivos individuais do rival para goleá-lo por 3 a 0 e deixá-lo à beira da eliminação na fase de grupos na Rússia.

A Croácia tem o mesmo espírito de quatro anos atrás, capaz de superar seguidas prorrogações para chegar a uma improvável final. A Argentina é bem diferente do desastroso time comandado por Jorge Sampaoli.

Lous van Gaal, técnico da Holanda, entregou o que prometeu. Fez de tudo nesta sexta para cortar a linha de passes para Messi. Era a crença de que a melhor forma de evitar que ele decidisse era fazer com que não tivesse a bola. Ou que isso pelo menos acontecesse o mais distante possível do gol.

Congestionar o meio-campo também era uma forma de fazer com que os passes pelo miolo da zaga e trocas rápidas de passes se tornassem mais difíceis. Também havia a crença que os laterais sul-americanos não eram tão bons. Um deles (Acuña) é meia.

Era uma boa teoria. O problema é o jogador que era o maior temor da seleção holandesa precisava de apenas uma jogada para mudar toda a história da partida. Foi o que Messi protagonizou aos 34 com o lançamento para Molina.

Scaloni também entrou precavido com as armadilhas da Holanda e escalou três zagueiros. Com uma linha de cinco sem a bola, dificultava o trabalho das três peças da linha ofensiva europeia. Especialmente Memphis Depay, que voltava às vezes para buscar o jogo e ter a posse de bola. Era igual ao que Messi fazia.

Hoje aos 28 anos, Depay é um atacante mais maduro dentro e fora de campo, embora continue com personalidade forte. Não parece ser mais o jogador que, relegado ao time reserva do Manchester United em 2016 (pelo mesmo Louis van Gaal) e aconselhado pelos mais velhos do elenco a adotar uma postura mais discreta, chegou para a partida seguinte a dirigir um Rolls Royce.

Ele ainda é a peça ofensiva mais importante da Holanda. Mas não é Lionel Messi, que parecia autorizado até a cometer faltas que qualquer outro jogador seria advertido.

Mesmo ao colocar a mão deliberadamente na bola no segundo tempo, não recebeu cartão amatrelo. O zagueiro Virgil van Dijk abriu os braços, inconformado.

O árbitro espanhol Antonio Mateu Lahoz fez de conta que não era com ele. Mas nos acréscimos, não teve jeito.

A Holanda e van Gaal também buscavam a sua revanche. Na semifinal de 2014, em uma partida travada por 120 minutos e com poucas chances de gol, a Holanda foi eliminada pelo mesmo adversário sul-americano nos pênaltis.

No desespero e atrás por dois gols, ele colocou o centroavante Weghorst, jogador de área, na vaga de Depay para tentar incomodar a zaga rival.

O atacante fez a Argentina sofrer e empatou a partida com dois gols. O segundo deles, no último lance do tempo regulamentar, em jogada ensaiada no campo de treinamento e criada por van Gaal.

A prorrogação teve todo o drama possível em 30 minutos. Chances de gol para os dois lados, bola na trave (em chute de Enzo Fernández) e troca de empurrões. Em uma disputa de pênaltis, após derrota para o Chile na final da Copa América de 2016, Lionel Messi renunciou à seleção pela primeira vez. Em outra, nesta sexta, a história foi bem diferente por causa de Dibu Martínez.

link