Tag: Mundial de Clubes da Fifa

Veja a lista com todos os campeões do Mundial de Clubes da Fifa

O Manchester City alcançou um marco histórico ao conquistar sua primeira taça do Mundial de Clubes da Fifa, derrotando o Fluminense por convincentes 4 a 0 nesta sexta-feira (22).

A vitória consolida o City como o 12º time a erguer o troféu desde o início da competição em 2000, que atingiu sua 20ª edição neste ano. Vale ressaltar que a entidade máxima do futebol reconhece as disputas realizadas entre 1960 e 2004 como Copa Intercontinental.

Ao se juntar aos compatriotas Manchester United (2008), Liverpool (2019) e Chelsea (2021) como campeões ingleses, o Manchester City adiciona mais uma glória ao futebol do país. O Real Madrid detém a liderança como o maior vencedor neste formato, com impressionantes cinco títulos.

A última equipe brasileira a triunfar no torneio foi o Corinthians, que conquistou a taça em duas ocasiões, sendo a última delas em 2012. Na primeira edição do Mundial da Fifa, em solo brasileiro, o Corinthians emergiu vitorioso ao superar o Vasco na emocionante decisão por pênaltis (4 a 3 para os paulistas) no Maracanã.

O Mundial de Clubes da Fifa foi retomado em 2005, quando o São Paulo protagonizou uma vitória épica sobre o Liverpool, com um marcador de 1 a 0 na decisão. No ano seguinte, foi a vez do Internacional celebrar, ao vencer o Barcelona por 1 a 0 e levar o prestigioso caneco.

Segue abaixo a lista de todos os campeões do Mundial de Clubes da Fifa:

  • 2023: Manchester City (ING)
  • 2022: Real Madrid (ESP)
  • 2021: Chelsea (ING)
  • 2020: Bayern de Munique (ALE)
  • 2019: Liverpool (ING)
  • 2018: Real Madrid (ESP)
  • 2017: Real Madrid (ESP)
  • 2016: Real Madrid (ESP)
  • 2015: Barcelona (ESP)
  • 2014: Real Madrid (ESP)
  • 2013: Bayern de Munique (ALE)
  • 2012: Corinthians
  • 2011: Barcelona (ESP)
  • 2010: Internazionale (ITA)
  • 2009: Barcelona (ESP)
  • 2008: Manchester United (ING)
  • 2007: Milan (ITA)
  • 2006: Internacional
  • 2005: São Paulo
  • 2000: Corinthians

Fluminense x City é um confronto de estilos antagônicos – 21/12/2023 – Esporte

Fluminense x Manchester City poderia ser visto apenas como mais um confronto desigual entre clubes da América do Sul e europeus. Desde o fim do limite de estrangeiros no futebol, simbolizado pela vitória do belga Jean-Marc Bosman na corte europeia, em 1995, houve 28 disputas mundiais, 22 vitórias da Europa, apenas seis sul-americanas.

Seria só mais uma derrota provável, não fosse Fernando Diniz.

Talvez nem Guardiola tenha exata noção disso, mas Fluminense x Manchester City se tornou o confronto de estilos antagônicos. Não o defensivo contra o ofensivo, mas o posicional de Pep contra o sem posição de Diniz.

Jogo posicional é o conceito em que os jogadores ocupam quadrantes e se movimentam dentro deles, como se o campo fosse dividido em 12 partes. Usa princípios de largura, apoio e profundidade. Grosso modo, a bola vai ao jogador, que não se desloca em direção a ela.

No City, Foden, na direita, e Grealish (na ausência de Doku, lesionado), à esquerda, são os pontas de Guardiola. Suas funções são alargar o campo, para abrir a defesa adversária, que normalmente concentra a linha de quatro defensores entre as duas riscas laterais da grande área.

Quanto mais amplo o espaço em que se joga, mais difícil a marcação. Quanto mais abertos os pontas, mais complicado para os beques.

A ideia de apoio é a capacidade de os jogadores se aproximarem, em teoria dentro de seus quadrantes. Profundidade é o jogo em direção ao gol, que conta com posicionamento de meias entre as linhas de volantes e zagueiros —o que se convencionou chamar de entrelinha— para dificultar a ação defensiva.

Para ter tudo isso, recuperar a bola o mais rapidamente possível é fundamental, e a organização para pressionar no campo de ataque, também. “Só podemos encurralar o adversário se todas as linhas subirem juntas e próximas”, ensinou Rinus Michels, da Holanda de 1974. “Quando se tem a bola, deve-se abrir o maior espaço possível. Quando se perde, diminuir, para o rival não conseguir jogar”, seguiu Johan Cruyff.

Guardiola está na árvore genealógica de Michels e Cruyff. É a evolução do estilo posicional. O Barcelona de Cruyff enfrentou o São Paulo de Telê Santana, no Mundial de 1992, com Guardiola como volante e parâmetros táticos muito parecidos aos do City atual.

Diniz usa princípios semelhantes com conceitos totalmente diferentes. No Fluminense, o jogador vai até a bola, não o inverso. Evidentemente, isso não é imutável, porque tática não é estática.

Diniz tem Arias e Keno pelos lados, para dar largura ao campo. De maneira oposta à ideia de Guardiola, os dois se aproximam e deixam vazia uma das linhas laterais. Enquanto isso, Ganso joga entre as linhas de meio e defesa, sem ficar exclusivamente ali. O dinizismo prima pela saída da defesa em toques curtos, tem o apreço pelo passe e a paciência para encontrar espaços improváveis.

Também o apoio e a profundidade como prioridade, mas o sistema aposicional de Diniz leva o jogador até a bola, não a bola ao jogador, como no de Guardiola.

Os fins são os mesmos, invadir a área adversária a partir da superioridade numérica, duelos de três atacantes contra dois defensores, ou quatro contra três, ou cinco contra quatro, sempre ao menos um avante a mais do que o número de zagueiros.

Os fins são os mesmos, os gols. Os meios para alcançá-los são inversos.

No passado, os Mundiais tinham sul-americanos atacando e europeus tentando vitórias com estratégia. Mais recentemente, a América se defende e tenta um contra-ataque. Resultado das melhores contratações do planeta pelos times europeus.

Das 22 conquistas mundiais da Europa desde 1995, 21 tiveram jogadores de seleções da América do Sul vencendo pelo velho continente.

Em Fluminense x Manchester City, a surpresa pode ser a tática aposicional contra o posicional de Pep Guardiola.

No ataque, o Manchester City joga no 3-2-5. Os pontas se movimentam para alargar o campo e dentro de seus quadrantes. Akanji defende como lateral esquerdo e ataca como meia. Bernardo e Julián Álvarez, quando jogam como meias, posicionam-se atrás dos volantes e à frente dos zagueiros, entre linhas. Conceitos de largura, apoio e profundidade. Muita pressão para recuperar a bola.

O Fluminense tem Arias e Keno como pontas, mas eles se aproximam, juntam-se a Ganso, às vezes até a Marcelo, que se desloca da lateral esquerda para a meia direita. Num piscar de olhos, o Fluminense une cinco jogadores de um lado do campo. O sistema tático é o 4-2-3-1. No ataque, quando precisa virar jogos, transforma-se até em 3-6-1.