Tag: futebol feminino

CBF libera campeonatos na base com time misto de meninas com meninos

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) regulamentou nesta quarta-feira (8), competições de futebol mistas no Brasil. Mulheres poderão participar de equipes masculinas e times femininos estarão liberados para participar de competições antes apenas reservadas para homens. Isso ficará a critério da entidade organizadora do campeonato.

A medida vale em todas as categorias, desde a base até o amador adulto. Não inclui o profissional.

A Confederação segue exemplo de países como França, Alemanha, Dinamarca e Holanda, que também permitem o futebol misto. Na Inglaterra, isso é permitido até o sub-18.

“O futebol misto trabalha com a massificação e a inclusão. Faltam equipes e, sobretudo, competições amadoras em nível local e regional nas primeiras categorias de iniciação e formação desportiva, como a Sub-10, Sub-12, Sub-14. Acredito firmemente que a regulamentação do futebol misto ajudará a corrigir este problema, incentivando a participação de milhares de jogadoras em equipes e competições mistas”, disse o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues.

O futebol feminino permanece exclusivo para times de mulheres, sem a participação masculina.

A CBF instituiu também um mecanismo para diminuir a diferença física nos campeonatos mistos. Times femininos e jogadoras de certa faixa etária poderão enfrentar ou jogar com equipes masculinas de idade inferior.

Meninas de 17 anos estão livres para participar de torneios com garotos de até 13 anos, por exemplo.

A ideia da entidade é promover a igualdade de oportunidades para jovens atletas que têm dificuldades para encontrar clubes. A CBF promete fazer campanha pela adoção das competições mistas em suas afiliadas.

Copa A Gazetinha está com inscrições abertas para as categorias masculinas Juvenil e Juniores e também feminina, nas categorias Rosa (Sub17) e Ouro (18 anos para cima). As Solicitações de Inscrições já podem ser feitas.

Corinthians bate Flamengo e leva bi da Supercopa feminina

O time feminino do Corinthians tem mais títulos da Supercopa do Brasil do que o masculino. A segunda taça conquistada pelo clube alvinegro em duas edições da competição em sua versão para mulheres foi obtida na manhã de domingo (12), com uma goleada por 4 a 1 sobre o Flamengo, no estádio de Itaquera, em São Paulo.

Os dois gols de Tamires e os dois de Millene –Daiane Santos descontou– construíram o placar, retrato da ampla superioridade da formação preta e branca, que mantém sua rotina de levantar troféus. Se a equipe de homens da agremiação do Parque São Jorge não ergue um desde 2019, aquelas chamadas de “Brabas” não param de comemorar.

O Corinthians reativou o futebol feminino em 2016 e já naquele ano levou a Copa do Brasil. Depois disso, triunfou 3 vezes no Campeonato Paulista. (2019, 2020 e 2022), quatro

no Brasileiro (2018, 2020, 2021 e 2022) e três na Copa Libertadores (2017, 2019 e 2021), sempre sob comando de Arthur Elias.

 

Agora, veio o bi da Supercopa do Brasil (2022 e 2023), competição vencida pelo time masculino em 1991, também em confronto com o Flamengo. Na ocasião, o torneio ainda era pouco prestigiado. Neto marcou o gol que definiu o triunfo por 1 a 0, acompanhado por 2.706 pagantes no Morumbi.

A partida deste domingo teve 25.779 espectadores na Neo Química Arena. Um público de ampla maioria corintiana que não precisou esperar nem um minuto para comemorar. Bárbara fez ótima defesa em chute de Gabi Portilho, mas Belinha pegou o rebote e deixou Tamires em ótima posição para marcar.

O Flamengo tentou reagir e teve momentos de perigo, mas viu sua situação se complicar em pênalti cometido por Bárbara em Vic Albuquerque. Millene converteu, aos 36. Ainda no primeiro tempo, aos 49, Vic Albuquerque ficou com sobra na meia-lua e tocou para Millene, que, na cara de Bárbara, concluiu com precisão.

A partida praticamente se resolveu antes do intervalo. Na volta, aos 12 minutos da etapa final, Gabi Portilho fez boa jogada pela direita e cruzou para Tamires concluir de pé direito. Ficou estabelecida a goleada, que não foi ameaçada pelo gol solitário rubro-negro, em cabeceio de Daiane Santos, aos 24.

Foi o jogo mais fácil do Corinthians na Supercopa, que, em sua versão feminina, reúne em mata-mata os quatro melhores de cada uma das duas divisões do Campeonato Brasileiro. A equipe alvinegra venceu o Atlético Mineiro por 1 a 0 e derrotou o Grêmio por 2 a 1 antes de se impor sobre o Flamengo, que só mais recentemente passou a fazer maiores investimentos na modalidade.