Confira a seleção da Copa de cada colunista da Folha – 17/12/2022 – Esporte

Na véspera da final da Copa do Mundo de 2022, a Folha convocou colunistas de Esporte para analisar os principais jogadores e acontecimentos do torneio. Cada um montou sua seleção e destacou a decepção e a surpresa desta edição, além de fatos marcantes do evento sediado no Qatar.

Leia abaixo a opinião de Sandro Macedo, Marina Izidro, Casagrande, Renata Mendonça, Juca Kfouri, Luis Curro, Marcelo Damato, Tayguara Ribeiro, Tostão e PVC.

As seleções

Três jogadores foram unanimidade nas seleções: Messi, Mbappé e Theo Hernández. Veja a seleção da Copa de cada colunista.

Os companheiros de PSG e artilheiros da Copa, com cinco gols cada, são nomes previsíveis entre os melhores da competição.

Mas a presença do lateral esquerdo francês pode ser considerada uma surpresa: Theo fez ótima temporada pelo Milan, mas é pouco conhecido quando comparado aos dois craques.

Até as semifinais, ele deu duas assistências e marcou um gol —o primeiro contra Marrocos, na quarta-feira (14). Revelado pelo Atlético de Madri, foi um dos destaques da campanha milanesa pelo título da Serie A italiana na temporada passada. É um lateral veloz e ofensivo.

Entre os goleiros escalados, a disputa ficou empatada entre Bono, de Marrocos, e Livakovic, da Croácia: ambos foram selecionados por quatro de dez colunistas. Eles defenderam a meta das principais surpresas da Copa.

Bono foi o goleiro de Marrocos durante a campanha histórica da equipe, que ficou em quarto lugar, a melhor marca de uma equipe africana em Copas. Bono contribuiu pegando dois pênaltis decisivos na disputa contra a Espanha, além das grandes defesas que fez durante os jogos. O desempenho da seleção marroquina foi destacado pela maioria dos colunistas como a surpresa da Copa.



A ida de Marrocos à semifinal não deve se repetir logo, mas muda o horizonte das equipes africanas

Livakovic foi essencial no mata-mata croata: defendeu dois pênaltis em disputa contra o Japão, nas oitavas, e agarrou a cobrança de Rodrygo na disputa que eliminou o Brasil, nas quartas de final.

Na zaga, o escolhido pela maioria foi Gvardiol. O zagueiro croata de 20 anos é considerado uma das revelações do torneio. Atuou bem na Copa e foi responsável por desarmar Fred na jogada do gol de empate contra o Brasil. Foi escolhido por seis de dez colunistas.

Quem completa a dupla de zaga na seleção dos colunistas é o argentino Otamendi, que já não está no auge de sua carreira, mas teve ótimo desempenho na Copa do Mundo. Ele foi escolhido por três dos dez colunistas.

Theo, já citado, foi unanimidade na lateral esquerda.

No meio, o mais citado foi o francês Griezmann. Apesar de atuar como atacante no Atlético de Madri, está posicionado como meia de armação na seleção francesa. Ele deu três assistências em seis jogos de Copa. Além de cumprir com suas funções ofensivas, fez desarmes importantes e é um forte marcador da saída de bola de times adversários.

Por conta disso, é visto como o motor da França na Copa do Mundo.

Na seleção dos analistas, seus parceiros de meio são Modric, escolhido seis vezes, e Enzo Fernández ou Amrabat —os dois empataram com quatro escalações.

O croata conduziu o meio de campo xadrez na classificação sobre o Brasil em mistura de técnica e correria, mesmo aos 37 anos.

Enzo é uma promessa argentina de 21 anos que começou no banco e conquistou a titularidade com passes e arremates decisivos durante a campanha intensa da alviceleste.

Amrabat truncou o meio de adversários com desarmes rápidos e distribuiu passes elegantes. O volante da Fiorentina é outra revelação do torneio, apesar de já ter 26 anos.

No ataque, estão os unânimes Messi e Mbappé, que dispensam apresentação. Suas carreiras estão em fases opostas: Mbappé, aos 23, caminha para ser tornar um dos maiores jogadores da história do futebol e busca seu segundo título mundial. Messi tenta encerrar sua carreira na seleção dando o tri a seus país, título inédito para o argentino, que seria uma cereja no bolo de sua carreira já eternizada.

Para fechar o trio, o eleito foi Julián Álvarez, outro moleque. Aos 22, assumiu a titularidade durante o torneio e marcou gols decisivos para a campanha argentina, como os dois contra a Croácia, na quarta-feira (14), que classificaram a equipe à final.

A decepção da Copa

Para a maioria dos colunistas, a grande decepção desta edição de Copa esteve relacionada à desclassificação brasileira precoce. Tropeços de outras potências e polêmicas sobre direitos humanos no Qatar também figuraram na lista; veja completa abaixo.

  • PVC: Alemanha. Duas Copas seguidas caindo na fase de grupos. Assustador.
  • Casagrande: Saber que fiquei um mês num país que não respeita os direitos humanos, trata mulheres como seres inferiores e é altamente homofóbico.
  • Renata Mendonça: Alemanha, apesar de boas atuações, perdeu muitas oportunidades de gol, não foi eficiente e acabou eliminada pela segunda Copa consecutiva na primeira fase.
  • Tayguara Ribeiro: O gol tomado pelo Brasil. Tomar em um contra-ataque, ganhando uma prorrogação e faltando apenas quatro minutos para terminar o jogo. Não tem como não se decepcionar.
  • Juca Kfouri: A desclassificação da seleção brasileira nas quartas de final, diante da Croácia.
  • Luis Curro: Alemanha (segunda eliminação seguida na fase de grupos), Bélgica (e seus craques De Bruyne e Lukaku), Brasil (outra queda nas quartas como favorito) e Cristiano Ronaldo (implicante e ineficiente).
  • Marcelo Damato: Thiago Silva, aos 38 anos, não sabe o que é ser capitão. A faixa não é uma vaidade. O capitão é quem põe o dever acima da vontade. Deveria ter se apresentado para bater o primeiro pênalti.
  • Marina Izidro: A forma como a talentosa seleção brasileira foi eliminada precocemente. Os quatro minutos finais da prorrogação contra a Croácia e a ordem de cobrança de pênaltis não sairão nunca mais de nossa memória.
  • Tostão: Alemanha, do ponto de vista técnico, e Brasil, do ponto de vista emocional.
  • Sandro Macedo: Dinamarca, que chegou com status de força alternativa, e Bélgica, 3º em 2018, não jogaram nada; e teve a decepção dos ingleses com a qual me solidarizo, Wilton Pereira Sampaio.

A surpresa

Esta edição foi recheada de surpresas: teve queda de potências e zebras na fase de grupos, tropeços de Espanha e Brasil no mata-mata, Marrocos alçando voo e Austrália classificada, além de Dinamarca lanterna de seu grupo.

  • PVC: Marrocos. Ninguém esperava.

  • Casagrande: A campanha de Marrocos, primeira seleção africana a chegar às semis, e a queda da Alemanha ainda na fase de grupos.

  • Renata Mendonça: Brasil não chegar às semifinais da Copa

  • Tayguara Ribeiro: Julián Álvarez, jovem centroavante da Argentina.

  • Juca Kfouri: A maravilhosa torcida marroquina.

  • Luis Curro: Marrocos, a primeira seleção africana a chegar a uma semifinal de Copa do Mundo, derrubando, com força coletiva, Bélgica na fase de grupos e Espanha e Portugal nos mata-matas

  • Marcelo Damato: a ida de Marrocos à semifinal não deve se repetir logo, mas muda o horizonte das equipes africanas. Coreia do Sul e do Japão também mostraram novidade. As três equipes venceram apostando em contra-ataques criativos.

  • Marina Izidro: Marrocos, primeira seleção africana a chegar à semifinal, vencendo Bélgica, Espanha e Portugal.

  • Sandro Macedo: Saindo da obviedade de apontar Marrocos, me surpreendi com Tite deixando a turminha chorando sozinha no gramado após a eliminação; e com a torcida da Argentina, que invadiu o Qatar e abraçou a seleção como poucas vezes me lembro.

O que marcou esta Copa?

Segundo os colunistas, o aspecto mais marcante desta edição foi o político: seleções e torcedores transformaram os estádios em palcos de protestos por diferentes motivos. As controvérsias envolvendo o desrespeito do país-sede a direitos humanos fomentou discussões sobre o assunto.

  • PVC: Aplaudimos os craques Messi, Neymar e Mbappe, sem esquecer que são garotos propaganda do regime qatariano, que não respeita os direitos humanos, especialmente os das mulheres e de homossexuais.

  • Casagrande: As exibições de Messi foram marcantes. Essa é minha sétima Copa do Mundo, e em nenhuma delas vi algo igual. Outro ponto a ressaltar: os manifestos das mulheres iranianas contra a morte da garota Mahsa Amini durante as partidas.

  • Renata Mendonça: As manifestações na torcida, tanto de torcedores com símbolos, camisas e bandeiras pela causa LGBT e também protestos em favor das mulheres iranianas, como a faixa “Women Life Freedom” na arquibancada, marcaram esta edição de Copa, sediada por um país que restringe direitos humanos.

  • Tayguara Ribeiro: A Copa foi marcada por protestos. Jogadores do Irã não cantaram o hino do país em apoio à situação das mulheres iranianas; ingleses se ajoelharam em protesto contra o racismo; alemães taparam a boca em conjunto em ato contra a Fifa, que proibiu manifestações.

  • Juca Kfouri: Algo que marcou a Copa de 2022 foi o contraponto entre a frieza e artificialidade do Qatar e a quentura das torcidas de Marrocos, principalmente, e da Argentina

  • Luis Curro: Um momento marcante foi a bola que todo o mundo viu que saiu do campo, antes de gol decisivo do Japão contra a Espanha, mas que, segundo a arbitragem, não saiu —disseram que a tecnologia permitiu ao VAR enxergar que parte da redonda estava sobre a linha de fundo.

  • Marcelo Damato: Essa foi a Copa dos meio-campistas, dos pontas e dos goleiros. Polivalência passou a ser regra. O jogo ficou mais bruto. A violência foi tolerada pelo apito. O VAR 2.0 resolveu o impedimento. O Brasil foi o de sempre.

  • Marina Izidro: A escolha da sede nunca foi tão criticada como nesta edição, com questões como direitos humanos e combate à homofobia dominando os debates e atletas divididos entre o direito de manifestação e o sonho de jogar uma Copa.

  • Tostão: a TV mostrava o presidente da Fifa, Infantino, sempre sentado sozinho durante os jogos. Em França x Marrocos, ele teve a companhia de Macron. Mesmo assim, continuou na mesma posição, calado, como se o francês não existisse. Será ele o dono da Fifa, do futebol e do mundo?

  • Sandro Macedo: Esta será lembrada como a última Copa de Messi desfilando em alto nível; mas também vai ficar marcada para sempre como a Copa do “não”. Não aos direitos humanos, não aos LGBTQIA+, não às mulheres, não à cerveja. Vai-te Qatar.

link

Start a Conversation

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *